Reflexões...



O que eu mais fiz em 10 dias de férias foi trabalhar, mas trabalhar em coisas que eu amo. Gravei e editei vídeos pra o canal, escrevi e revisei os livros, resolvi coisas sobre o lançamento do meu próximo livro, fiz algumas coisas pra o blog (infelizmente menos do que eu queria). Enfim... planejei muito os últimos três meses do ano no que diz respeito ao meu canal no YouTube, ao blog e ao que vem por ai sobre os meus livros. Descansei? Sim, porque estou com a cabeça tranquila quando estou fazendo o que eu gosto.

Nesses 10 dias que tirei de férias, resolvi fazer algo que há muito tempo não fazia: fantasiar. Lembro que quando eu era criança, eu fui professora, médica, cantora, etc. Eu me divertia muito vivendo algo diferente da minha rotina. E me propus a fazer isso nessas férias. Eu fantasiei que eu vivia do que eu amo fazer: meus livros, o blog e o canal. E criei uma rotina onde trabalhava com isso todos esses dias. Tinha prazos a cumprir e muita coisa pra dar conta. Tudo, claro, relacionado aos livros, blog e canal. E isso me fez um bem tão grande que eu realmente desejo que eu um dia possa viver do que gosto de fazer. Aliás, é o que desejo não só pra mim, mas pra todo mundo.

Espero que muitas coisas boas estejam por vir...

Quem quer ser escritor? #2.5 (Editoras)

O assunto de hoje da nossa série é algo que interessa a muitos autores, principalmente os iniciantes: a busca por editoras.

Geralmente quem escreve quer ser lido (eu digo geralmente porque né... nunca se sabe). E para ser lido é necessário que se publique o que se escreve.

Contudo, antes de falar sobre (boas) editoras (o sonho de consumo de qualquer escritor), quero dizer que há outros meios para ver seus escritos indo parar nas casas das pessoas. Hoje em dia é muito mais acessível publicar um livro do que há alguns anos.

Não irei entrar no mérito de em que isso acarreta, se é bom ou ruim para o mercado. O fato é que isso acontece e ponto.

Hoje é possível escolher a publicação independente, na qual, basicamente, você banca a publicação do seu livro. Ou, ainda na forma independente, você publica em plataformas E-book (Amazon, Kindle, Wattpad), onde geralmente você não paga para publicar, mas ganha muito pouco ou nada mesmo.

Mas você, autor, escolheu procurar uma (boa) editora, mesmo sabendo a dificuldade que irá enfrentar nessa trajetória.

A primeira coisa que você precisa ter em mente é que você receberá muito mais nãos do que sims. Sei que a grande maioria sabe disso, mas é sempre bom lembrar. Mas vamos aos dois pontos que considero chaves na busca por uma (boa) editora.

1) Antes de mandar seu original para uma editora (qualquer que seja, mesmo as já muito conhecidas), registre seu material na Biblioteca Nacional. Primeiramente, a grande parte das (boas) editoras nem mesmo aceita um original que não esteja devidamente registrado na BN. Além disso, é um risco que você corre. Afinal, nunca se sabe... você pode ser a próxima J. K. Rowling =) Se acontecer do seu material ser plagiado, você terá como provar que ele é seu.

2) Nunca coloque um Pokemón do tipo elétrico contra um Pokemón do tipo Pedra. É feio. É burro. É noob.

Mas o que é que Pokémon tem a ver com editora? Veja o gráfico abaixo:


É exatamente isso. Não saia "atirando para todos os lados". Procure saber quais editoras publicam o que você escreve. Não adianta ficar mandando persistentemente um original de fantasia para uma editora que só publica auto ajuda.

Fora isso, não há mistério.

Mas você precisará ter paciência. As (boas) editoras recebem milhares de originais por dia. Então, provavelmente sua resposta vai demorar muito a chegar. Muito MESMO! Isso se chegar, pois infelizmente algumas editoras acabam não respondendo nem mesmo um não.


É isso! Gostaram do post de hoje?

Se vocês tiverem alguma sugestão de tema para que eu possa falar sobre aqui na nossa sessão é só dizer nos comentários.

NOVA PROGRAMAÇÃO BLOG/CANAL

Eu percebi que estava difícil seguir a programação do blog/canal que eu tinha criado devido a várias coisas, principalmente a minha rotina. Então, resolvi modificar alguns dias pra ver se consigo cumprir direitinho dessa vez.

E ficou assim:


Segunda-feira: Dicas (blog)

Terça-feira: Texto (blog)

Quarta-feira: Look (blog)

Quinta-feira: Vídeo (canal)

Sexta-feira: Texto/TAGs (blog)

Sábado: Look (blog)

Domingo: Vídeo Extra* (canal)



OBS.: As Quintas são os dias oficiais de vídeos no canal. Contudo, como as vezes eu acabo fazendo mais de um vídeo por semana (e sempre que eu puder farei isso), colocava o vídeo extra na segunda. Mas quando acontecia algo e eu não conseguia colocar o vídeo oficial da semana na quinta, demorava muito pra sair outro vídeo, que só ia ao ar na outra quinta. Estão me entendendo? Então, achei melhor migrar os vídeos extras para o domingo. Espero que dessa forma fique melhor.

*Os vídeos extras, como o próprio nome já diz, não sairá toda semana, mas vocês sabem que eu acabo postando uns dois vídeos extras por mês pelo menos.


Dito isso, amanhã começa a nova programação do blog e do canal. Fiquem ligados que vem muita coisa legal por ai!

Dica: Músicas para alegrar!

Segunda feira é um dia difícil. Todo mundo sabe disso.

A gente precisa voltar da preguiça do domingo pra encarar uma nova semana de trabalho. E uma das coisas que me ajuda muito em uma segunda feira de manhã é ouvir uma música super animada.

Então, resolvi fazer uma playlist de músicas que me colocam pra cima quando eu as escuto.

Bora lá?


Claro que a primeira tinha que ser HAPPY. Escolhi o cover do Pentatonix em vez da música original porque... é Pentatonix né? Tudo fica melhor com Pentatonix o/






Essa é a música que com certeza vai tocar no meu casamento! AMO Maroon 5!!!!






E pra fechar, mais uma de Pentatonix!


E ai, gostaram?

Que músicas vocês escutam naqueles dias que até levantar da cama tá difícil?

Quem quer ser escritor? #2.4 (Texto mal revisado e papel do editor)

Enfim voltamos com nossa série aqui no blog!

E o assunto de hoje é sobre dois pontos imprescindíveis em um livro. O primeiro deles é sobre a revisão do texto.

Acredito, e sempre falo isso, que um escritor precisa constantemente revisar seu texto. Isso faz parte do processo de escrita.

Em um dos momentos da série, quando falei sobre não "atrapalhar" o processo criativo interrompendo-o com revisões, foi justamente porque existe o momento (ou momentos) de revisar o texto. E, claro, não há uma quantidade de vezes ou tempo ideal para essas revisões. Isso é algo que o autor deve sentir em seu próprio processo. É algo muito particular.

A questão é que, da mesma forma que um texto mal escrito, um texto mal revisado passa a impressão de que quem o criou não se preocupou com o que estava fazendo, fez de qualquer jeito.

"É perfeitamente aceitável escrever lixo - contanto que você edite brilhantemente" (Tradução livre)

Eu trouxe para vocês essa imagem com essa frase de C. J. Cherryh justamente para ilustrar algo que vou dizer agora.

Primeiramente, quero deixar claro que não concordo completamente com a frase.

Eu acredito que uma boa revisão, as vezes, pode salvar um texto. Contudo, acho que o escritor pode acabar pecando se achar que o papel da revisão de um livro é somente do editor. E terminar por não fazer a sua parte.

Sim, o editor faz um tipo de revisão em um livro, com um olhar específico.

A revisão que você, como escritor, fará é diferente. Inclusive, o olhar da sua revisão pode acabar fazendo uma grande diferença quando seu original chegar na mesa do editor.