#HeForShe



Nessa semana, foi lançada a campanha #ElesPorElas (versão brasileira da importantíssima iniciativa da ONU #HeForShe, cuja a porta voz é a atriz Emma Watson).

#HeForShe foi lançada no ano passado (2014), nos EUA e na ocasião do evento, a Embaixadora da Boa Vontade da ONU, Emma Watson (que ficou conhecida por interpretar o papel de Hermione Granger, na famosa série Harry Potter) fez um MARAVILHOSO discurso sobre a igualdade de gêneros (Clique aqui para ver o vídeo do discurso).




Não vou aqui discutir sobre feminismo, pois esse tema é grande demais para ser tratado somente em um post. Meu intuito é realmente informar o lançamento da campanha no Brasil e chamar vocês para falar sobre o assunto, aqui no blog, nas suas casas, no trabalho, na escola, na universidade, no bar, onde quer que seja.


Além disso, essa campanha tem o intuito de gerar mais de 100 mil assinaturas de homens brasileiros que se engajem a essa causa. Sendo assim, vamos chamar os homens que vocês conhecem para apresentar essa campanha tão importante (Clica aqui pra assinar) e mostrar o quanto a sociedade brasileira está engajada com o tema.

Para mais informações, acesse: http://www.umanosemzara.com.br/ e http://www.heforshe.org/pt




"Ainda não inventaram um feitiço que a nossa Hermione não consiga fazer".
Hagrid

Hermione Granger, que enfrentou preconceitos por ser nascido trouxa (termo usado para quem não é bruxo), sempre foi envolvida em causas sociais: lutou pelo direito dos elfos domésticos e agora luta pela igualdade de gêneros =)

Vlog: Recife e evento com Carolina Munhóz + fotos

Assista ao vlog do meu fim de semana em Recife e meu encontro com a Carolina Munhóz:





Foto: 2 Dedos de Bagunça

Foto: 2 Dedos de Bagunça




Foto: 2 Dedos de Bagunça




Dica de passeio: Oficina Francisco Brennand

Nesse último fim de semana (19/06/2015 a 21/06/2015) fui pra Recife/PE e, como sempre, fui visitar a Oficina Francisco Brennand e é um passeio que eu indico demais pra quem for pra Recife ou mesmo pra quem for da Cidade e arredores.

É um lugar maravilhoso, onde se respira arte. São obras conhecidas internacionalmente. Vale muito a pena a visita.









Foto: Arquivo pessoal

Imagens: Google

Para mais informações acesse: http://www.brennand.com.br/

Quem quer ser escritor? #6

Pra quem me acompanha nas redes sociais, sabe que esse final de semana (de 19/06/2015 a 21/06/2015) eu fui pra Recife pra um evento que teve com a Carolina Munhóz, minha escritora nacional preferida.

E lá, dentre os vários assuntos abordados por ela, a Carol disse algo que sempre falo quando me perguntam sobre inspiração para escrever.


Acho que esse, além de ser um assunto um tanto polêmico, é muito interessante para ser discutido com quem deseja ser escritor.

Eu sempre digo que escrever de forma profissional precisa ser 90% transpiração e 10% inspiração.

Isso porque pra ser escritor (para levar isso como uma trabalho e não como um hobby) não se pode esperar momentos de inspiração para escrever seus textos. Você precisa criar seus momentos de inspiração.

Começar a encara a escrita como trabalho te leva a um outro nível, modifica até mesmo a forma como as pessoas vão olhar suas obras. Passar a ver seu trabalho como escritor de forma mais profissional fará com que as pessoas também o enxerguem dessa forma.

O mais importante para aprender a valorizar seu próprio trabalho é colocá-lo em primeiro lugar. Muitas vezes criamos mil desculpas ou coisas para fazer que nos atrapalham na hora de escrever. Vai de "Preciso MUITO estudar aquela matéria" (que você teve o mês inteiro, mas deixou pra estudar justamente no momento que poderia usar para escrever) até "Preciso testar uma nova receita de bolo, estou com muita vontade de comer bolo".

Até que a gente se acostume com uma rotina de escrita, sempre criaremos desculpas para não sentar em frente ao caderno ou computador e começar a escrever.

Por fim, eu deixo a frase que a Carolina Munhóz falou no bate-papo e que tem tudo a ver com o tema de hoje: "Inspiração é coisa de escritor que não tem conta pra pagar".



Agora eu gostaria de saber de vocês, o que vocês acham sobre isso? Me contem ai nos comentários!

Ariel




A Ariel é minha princesa favorita da Disney (das 6 princesas clássicas).

Eu nunca pensei muito sobre isso. Sabia que nunca havia me identificado com a Branca de Neve, a Bela Adormecida ou a Cinderella, que são as mais antigas e, consequentemente, as mais passivas. Sempre gostei mais da Jasmine, da Bela e, claro, da Ariel.

Uma das coisas que sempre me chamou a atenção nela foi o cabelo. Inclusive sempre desejei ter meu cabelo ruivo por causa da Ariel. Infelizmente, nunca cheguei ao tom ideal. Mas isso é outra história...

Hoje percebo que o cabelo da pequena sereia é cheio de significado, assim como a música tema do filme: "Part of that world".

Dia desses eu estava ouvindo as músicas da Disney (tenho uma pasta no meu pendrive só com música dos filmes da Disney xD) e escutei justamente a música da Ariel (a versão original, em inglês). E, além de perceber algumas coisas que eu nunca havia percebido, finalmente descobri porque a Ariel é a minha princesa preferida.

"Wouldn't you think I'm the girl
the girl who has everything?"

"Você não pensaria que eu sou a garota
A garota que tem tudo?"

A música tema da Ariel é a única música tema de todas as princesas que não fala de amor.

Não gente! Não to dizendo que não sou uma pessoa romântica, ou que sou mal amada, ou algo do tipo...

É simplesmente que, embora haja um príncipe e um "Felizes para sempre" no filme da pequena sereia, a Ariel almeja mais do que um grande amor em sua vida.

"Looking around here you think
Sure, she's got everything".

"Olhando aqui ao redor você pensa
Claro, ela tem tudo".

Por mais que pareça que ela tinha tudo (afinal, ela é uma princesa), ela busca mais. Ela tem sonhos. E eles são muito maiores do que um oceano.

"I wanna be where the people are
I wanna see, wanna see them dacing..."

"Eu quero estar onde as pessoas estão
Eu quero ver, vê-los dançando..."

Na verdade, ao meu ver pelo menos, o príncipe entrou na jogada mais como um pretexto.

A Ariel é curiosa. Ela observava o mundo humano há muito tempo e desejava fazer parte daquilo, tanto é que colecionava coisas humanas.

"Wanderin' free, wish I could be
Part of that world"

"Vagando livre, desejo poder ser
Parte do seu mundo"

"Ready to know what the people know
ask 'em my questions and get some answers"

"Pronta para saber o que as pessoas sabem
Fazer perguntas e ter respostas".

Ela gostava de ser sereia, mas queria experimentar coisas novas e, principalmente, ser livre.

"What would I give
If I could live
Out of these waters?"

"O que eu daria
Se pudesse viver
Fora dessas águas"

Enfim, descobri que o motivo pelo qual a Ariel é minha princesa preferida é simplesmente pelo fato de eu parecer muito com ela. Talvez só me falte um pouco mais da coragem dela.

Dica de Filme: Jurassic World




Nesse Dia dos Namorados eu fui ver o filme Jurassic World com meu namorado. Eu estava super ansiosa pra ver esse filme porque ADORO a franquia Jurassic Park (1993).

Entre o primeiro filme e o recém estreado são 22 anos. Contudo, basicamente, Jurassic World traz o original para os dias atuais, pois se existe outro nome para esse filme é nostalgia. Você é automaticamente levado de volta a Jurassic Park logo nos minutos iniciais do filme, quando a música tema da franquia começa a tocar e ao longo do filme, você é bombardeado por inúmeras referências.


Tem pessoas que podem não gostar de tantas, digamos... homenagens tão explícitas, mas eu amei reconhecer cada uma delas.

Está tudo lá. TUDO mesmo.

Assim que vemos o parque, automaticamente nos lembramos dos parques temáticos como os da Disney, Universal ou Sea World (substitua as baleia por um dinossauro e voilá). Tudo funcionando perfeitamente. Nós vemos, finalmente, o sonho do Sr. John Hammond realizado.


Pra mim (que não sou crítica de cinema, apenas uma expectadora fã dos primeiros filmes), mesmo com um problema ou outro, o filme se sustenta e é SUPER DIVERTIDO.

Ri, chorei e sai do cinema morrendo de vontade de ver mais uma vez! Recomendo.


Pra quem ainda não viu, corra pra o cinema mais próximo de você!

E se você já assistiu, cite as referências aos outros que você percebeu aqui em baixo nos comentários.


Imagens: Google

Quem quer ser escritor? #5

Hoje iremos falar sobre uma dificuldade muito comum para vários escritores iniciantes: como colocar no papel o que se passa em sua cabeça.


Não sei vocês, mas quando estou escrevendo passa um filme em minha cabeça, as cenas vão acontecendo, os diálogos entre os personagens, e isso tudo sempre acontece mais rápido do que eu consigo escrever (até porque nossa mente processa as coisas muito mais rapidamente do que nossos movimentos possam acompanhar).

Sendo assim, vez ou outra, acontece de termos uma história incrível na nossa cabeça que no papel não fica tão incrível assim.

Além disso, como nós conhecemos completamente (ou quase) nosso texto, nossos cenários e nossos personagens, podemos acabar nos sabotando no texto, deixando de colocar determinadas coisas, omitindo, sem querer, algumas informações que serão importantes para o leitor. Isso porque nosso cérebro completa as lacunas do texto e nós, escritores, não percebemos que falta algo. Mas o leitor vai perceber.

Então, vamos as dicas para esses problemas:
1) Tente conter sua ansiedade. Procure saber a causa dela, para que ela não faça com que você atropele elementos do seu texto. No meu caso, por exemplo, descobri que, na maioria das vezes, eu queria chegar logo ao final da história. Para driblar isso, nem sempre escrevo cronologicamente. Posso escrever uma cena que só vai entrar no final, depois uma que está no início e depois arrumar tudo da forma que eu quero contar a história.

2) Procure construir o máximo de informações sobre sua história, seus cenários, personagens, etc. Isso te ajudará muito na hora de escrever. Montar um storyboard também é ótimo.

3) Sempre peça para que outras pessoas leiam seus textos. Pode ser amigos, parentes ou mesmo profissionais que trabalham com isso. Mas é extremamente importante que alguém "de fora" leia e entenda o que você quis dizer e mostrar escrevendo aquele texto e apontar falhas caso elas existam. As vezes são coisas muito bobas, como dizer que está noite e do nada falar que está anoitecendo no outro dia, sem nem mesmo ter dito que tinha amanhecido. Na sua cabeça, o tempo pode ter passado normalmente, você pensou em toda a passagem das horas, mas não conseguiu passar isso para o papel. E isso mostra despreparo do escritor e pouco cuidado com sua obra.

PROGRAMAÇÃO DO BLOG/CANAL

Segunda-feira: Vídeo (canal)*/Texto (blog)

Terça-feira: Dicas (blog)

Quarta-feira: Look (blog)

Quinta-feira: Vídeo (canal)

Sexta-feira: Look (blog)

Sábado: Texto/TAGs (blog)

Domingo: Extras** (blog/canal)



*As Quintas são os dias oficiais de vídeos no canal. Ultimamente, estou fazendo mais de um vídeo por semana quase toda semana e sempre que eu puder farei isso. Porém, como não trabalho só com o blog e o canal, tem semanas que fica inviável fazer mais de um vídeo. Então vamos combinar assim: Quinta sempre terá vídeo no canal (a não ser que aconteça algum problema que me impeça de gravar ou postar). E sempre que tiver vídeo na segunda, vocês já sabem que naquela semana vão ter dois vídeos. Mas o vídeo da segunda fica como opcional. Vai ter semana que terá e semana que não terá. Quando não tiver vídeo na segunda, eu posto alguma coisa no blog (provavelmente um texto).

**Os extras podem ser qualquer coisa. Esse post por exemplo, é um extra. Mas os extras podem ser textos, looks, vídeos, qualquer coisa que se acumulou e não deu pra postar durante a semana. Pode, inclusive, ser vídeo. Se eu fizer uma viagem e tiver muitos vlogs, uso os domingos também pra postar.


Dito isso, amanhã começa a nova programação do blog e do canal. Fiquem ligados que vem muita coisa legal por ai!

Filmes para ver com o amor

Eu adoro listas, mas longe de mim achar que as que servem pra mim vão servir pra todo mundo. Porém, já que estamos pertinho do dia dos namorados, resolvi indicar algumas filmes que eu acho bacaninhas pra ver juntinho com seu amor.

ABC do Amor


500 dias com ela


10 coisas que eu odeio em você


Diário de uma paixão


Casa no lago


Um lugar chamado Notting Hill

P. S.: Eu te amo


Três vezes amor


Como se fosse a primeira vez


Shakespeare apaixonado



E claro que tem MUITO mais filmes pra ver nesse dia dos namorados, inclusive outros estilos de filme (porque, afinal, você e seu amor podem muito bem querer ver a franquia inteira de Velozes e Furiosos).

Mas ficam aqui minhas dicas pra essa e outras datas =)

Quem quer ser escritor? #4

O assunto de hoje é quase uma continuação do texto passado (que você pode acessa clicando aqui).

Nessa série, nós já vimos a importância de escrever, seja lá o que for, para treinar a sua escrita, como lidar com os bloqueios e resistências que insistem em aparecer nas piores horas e a importância de desenvolver seu próprio estilo como escritor.

Hoje continuaremos aprendendo sobre o processo da escrita e em como as coisas que lemos, vemos, ouvimos, etc vão nos influenciar e em como é necessário escolher e perceber essas influências.


Primeiramente, sabemos que as coisas que nos rodeiam, nos influenciam de alguma forma. E precisamos aprender a usar isso ao nosso favor, entendendo o que nos agrada e o que não gostamos e, principalmente, entendendo o porquê.

Quando conseguimos entender porque determinada coisa chama nossa atenção, nos prende por horas diante de um livro, vai nos ajudar no nosso processo de escrita. Identificar o que gostamos vai auxiliar a também escrevermos o que gostamos e isso é uma das coisas mais importantes para um escritor.

Contudo, tão importante quanto, é imprescindível aprendermos a nos distanciar daquilo que nos inspira para que possamos desenvolver nosso próprio estilo como escritor. Ou podemos cair em uma zona perigosa: o plágio.

Vamos lá!

Identificar o que gostamos e desenvolver nossa escrita a partir disso é TOTALMENTE diferente de copiar o estilo do escritor que gostamos. É necessário tomarmos muito cuidado, pois, as vezes, é possível que, sem percebermos, não consigamos nos diferenciar do que lemos e, em vez de desenvolver nosso estilo, acabamos apenas repetindo nossos escritores preferidos.


E vocês, o que acham desse assunto?

Enfim voltamos com nossa série #Quem quer ser escritor? e agora tentarei ser mais frequente. Mandem sugestões de temas para nossa série!