Dói?




Hoje fui fazer um exame de sangue. No laboratório, uma menininha de uns 4 anos também ia tirar sangue. Quando ela entrou na sala para fazer a coleta começou a chorar e correu de volta para a recepção. A mãe e a enfermeira foram buscá-la, dizendo: "não dói!". A menina, mesmo ainda sem querer voltou para a sala de coleta e, segundos depois, armou o maior escândalo e saiu de lá chorando e esperneando, numa reação extremamente exagerada, já que um exame de sangue é somente uma "picadinha".

Mas porque isso aconteceu? Me lembro de uma passagem em minha vida, quando eu era pequena (maior do que a menininha que falei acima) e precisei fazer um (na verdade foram vários) exame de sangue quando tive dengue. Minha mãe e minha avó foram comigo e, quando a moça preparava a agulha fiz a pergunta que a maioria das crianças fazem: "Dói?".

Minha avó apressou-se em dizer: "Dói não, minha filha". Mas minha mãe logo falou: "Mamãe, não fale isso pra menina!" e virou-se pra mim dizendo: "Dói sim! Mas é como uma picadinha de formiga. Dói pouquinho". E a moça fez o exame sem que precisasse de mais nada, somente a verdade!

O que, as vezes o adulto não entende, é que as crianças podem ouvir a verdade. Os adultos tendem a achar que a criança é um ser frágil e pode quebrar, que pra contar qualquer coisa precisa florear ou mentir, pois a criança não entende. O problema, é que dói muito mais quando a criança descobre a verdade. Dói a dor do problema e dói a mentira. Dói duas vezes.

A criança entende as coisas do jeito dela. Não entende do modo que o adulto entende ou do jeito que o adulto acha que ela vai entender. Ela entende e pronto. O floreado e a mentira só atrapalham. As vezes achamos que podemos abrandar a dor da criança se mentirmos. Mas, ao fazermos isso, estamos, na verdade, tentando minimizar nossa própria dor.

Para ilustrar esse texto, vou deixar aqui pra vocês esse vídeo que acho bem interessante e divertido de se ver:



Grande beijo!

Carnaval


Durante o Carnaval, circulou no facebook essa imagem com esse texto:

Clique para aumentar a imagem

Pois bem... acho que em alguns aspectos o autor do texto, Danilo Gentili, tem certa razão. Contudo, em outros momentos, ele passa a impressão de um texto de certa forma raso e sem solidez, que acaba por não passar tanta credibilidade. Explico: O autor fala que gostaria de ser presidente e fazer uma lei que anulasse o Carnaval, apoiando-se na justificativa de que milhões de problemas sumiriam ou mesmo diminuiriam, jogando a "culpa" de tudo nesse período festeiro. Mas há um problema ai! Não é porque está no período do Carnaval que tais problemas existem ou aumentam, mas sim porque leis não são cumpridas e as pessoas são extremamente irresponsáveis com suas próprias vidas e com as dos outros.

E, se me permitem citá-lo, não me faltam argumentos lógicos para comprovar o que eu digo:
1) No Carnaval há aumento de acidentes. Sim, há, mas não porque é Carnaval. O aumento de acidentes acontece em qualquer período festivo que tenha abuso de bebida e desrespeito às leis de trânsito! Isso não aconteceria se houvesse mais policiamento ético e fossem efetivadas as leis contra "beber e dirigir" e dirigir acima do limite de velocidade, independente de ser ou não Carnaval.

2) No Carnaval há um aumento do índice de HIV. Campanhas sobre o uso da camisinha existem. Distribuição de camisinhas gratuitas durante o Carnaval ou em qualquer outra época do ano em postos de saúde existe. Teste gratuito de HIV existe. O que NÃO existe é o respeito e o cuidado a si e ao outro. Cabe à população usar o que é oferecido.

3) O Carnaval piora a imagem do Brasil. Essa é uma afirmativa bem HIPÓCRITA! Presado autor do texto acima: você REALMENTE acha que acabar com o Carnaval irá melhorar a imagem do Brasil? Isso:


Só acontece no Carnaval?

Meu querido, acorde! Vivemos num país de inúmeras desigualdades sociais, corrupção, prostituição de todos os tipos e você vem me dizer que acabar com o Carnaval vai melhorar a imagem do país lá fora???

4) A semana do Carnaval é um período ocioso. Acabar com ela seria gerar mais renda para o país. É meeeesmo??? E o que você me diz dos estudos que comprovam que o descanso, a própria ociosidade geram melhor rendimento e aumento da criatividade e funções cerebrais? Ao contrário, o estresse, o cansaço e a pressão reduzem tais resultados. O que me diz dos grandes empresários coreanos que, ao perceberem isso, dão temporadas de folgas com viagens pagas para lugares paradisíacos aos seus publicitários? Pois é! Ninguém vive só de trabalho.

5) Desvalorização da imagem da mulher brasileira. Temos é que valorizar A mulher brasileira, dando suporte social, psicológico, médico, incentivá-las a denunciar agressões físicas, morais e psicológicas. Desvalorizar a mulher brasileira não é mostrar peito e bunda na televisão. Desvalorizar a mulher brasileira é deixá-las serem agredidas, é não dar a elas oportunidade de educação, é impedir que elas alimentem seus filhos, é não dá saúde e moradia dignas, é não dá oportunidade de trabalho, é tanta coisa que mostrar peito e bunda na TV quase não tem importância.

6) No Carnaval há um aumento de consumo de drogas. Como eu já disse, a solução pra isso não é acabar com o Carnaval, mas sim efetivar as leis, melhorar o policiamento e, principalmente, tratar dos usuários de drogas como pessoas e não como marginais viciados.


Sim, caro Danilo, concordo com você que nós, brasileiros, devemos nos importar mais com nosso país, exigir nossos direitos de cidadãos e lutar por um país melhor para todos. Mas isso, independente de haver ou não Carnaval, é um dever nosso.

Imagem do Carnaval de Olinda


O Carnaval é uma festa tradicional e cultural de nosso país, que, na minha opinião, não deve acabar. Há vários problemas nesse período, como em vários outros do ano, mas que se devem muito mais ao governo, à sociedade e à consciência de cada um de nós do que à festa em si. O autor foi muito infeliz em generalizar tudo, de modo que tornou-se reducionista demais, fazendo parecer que todos os problemas do mundo são por causa do Carnaval e, assim, seus argumentos tornaram-se falhos e que não passam nenhuma segurança ao leitor crítico e atento.

Grande Beijo!

Dia do Amor




Hoje, como todos sabem, é o Valentine's Day, dia que corresponde ao nosso Dia dos Namorados que aqui pelo Brasil é comemorado em 12 de Junho. Mas como, obviamente, o blog não é a Wikipédia, não irei me deter a falar sobre esse dia, qual sua história, etc, etc, etc...

Escolhi falar hoje do Amor, sentimento presente em todos nós, de uma maneira ou de outra, e que é celebrado neste dia. Pois bem, como se sabe, são muitos os símbolos de amor pelo mundo afora! O mais famoso deles é, provavelmente, o casal Romeo e Julieta, que morreram por amor no final da tragédia de Shakespeare. Vários outros protagonizaram estórias de amor ao longo da história, como Tristão e Isolda, o Pierrot e a Colombina, entre outros...

Atualmente, temos os filmes, as novelas e os livros que tentam reproduzir estórias de amor como as citadas acima ou criar outras com temas de amores proibidos ou que sobrevivem ao tempo e até mesmo à morte. Amores que começam de amizades, de casuais encontros. Ou desencontros. Amores que tem início de maneira cômica ou até mesmo de modo nada promissor, aqueles que tem tudo para dar errado, mas, no entanto, algo acontece e tudo fica bem. O caso é que o Amor é, foi e sempre será uma inesgotável fonte de inspiração.

Contudo, hoje o Amor aparece banalizado ou mesmo como algo que já existiu, mas não faz mais parte de nosso mundo. Entretanto, quando vemos cenas como essa:


Ficamos a imaginar se isso ainda existe em algum lugar. Sim, existe! Ainda existem amores tão grandes que nem o sol pode ofuscar, nem o oceano pode afastar. Grandes amores não são utopias nem lendas. São tão reais quanto amizade, lealdade, fé e bondade. E podem ser vistos por quem quiser ver...

Hoje é um dia para celebrar esses e outros amores. Diga a quem você ama o que você sente. Não precisa ser com palavras. Basta que a outra pessoa saiba o quanto você a ama!

Dedico este post de hoje àquelas pessoas que fazem minha vida mais feliz: meu amor, meus amigos, minha família e meus cachorros! AMO TODOS VOCÊS!