Retrospectiva 2011

Comecei a fazer retrospectivas no ano passado e parece que deu sorte, pois se em 2010 juntei todas as coisas boas que aconteceram no ano comigo em um Top10, em 2011 conseguirei fazer um Top20. Vamos lá!

Foto digna de "As Crônicas de Nárnia"

(1) O ano de 2011 começou muito bem, numa M-A-R-A-V-I-L-H-O-S-A viagem que fiz em janeiro com minha mãe, meu padrasto, minha tia e meu primo. A viagem começou em São Paulo, onde pudemos nos preencher de cultura, visitando livrarias e museus. Seguimos de carro pela Rio-Santos, uma estada linda e que vale cada minuto das 7 horas de viagem por ela. Antes de chegar no Rio de Janeiro, paramos para conhecer Paraty e dormimos em Bertioga, na casa de um simpático casal amigo do meu padrasto. Chegando no Rio, depois de fazer os passeis de turista, pude conhecer a cidade como se morasse lá. Sem falar na noite da pizza. Meu primo, aliás, se revelou um excelente pizzaiolo.

(2) Foi também em 2011 que comecei a fazer aula de canto. Eu sempre tinha tido vontade, pois algumas pessoas já tinham dito que eu tinha uma voz bonita. Juntei isso ao fato de gostar bastante de cantar (afinal, quem canta seus males espanta) e fui lá começar a fazer as aulas.

Na plataforma 9 3/4 pra pegar o expresso de Hogwarts

(3) Em abril, fiz uma viagem P-E-R-F-E-I-T-A para Orlando com a família do meu namorado. Nem preciso dizer o quanto AMEI essa viagem né? Fomos para vários parques, inclusive o parque do Harry Potter, onde visitamos Hogwarts, tomamos cerveja amanteigada, fomos a loja de varinhas do Olivaras e fomos na montanha russa dos dragões. Os dias que não íamos para os parques, fazíamos compras. Não preciso repetir que AMEI essa viagem né?

Essa foi a base do convite de Clara. Sim, fui eu que fiz =D

(4) No mês de maio, teve a festa de 15 anos de Maria Clara, que passei 5 meses planejando desde as lembrancinhas e decoração até o bolo e o vestido. Para mim, foi a prova definitiva de que sou capaz de realizar qualquer coisa que eu quiser, pois já é difícil planejar, criar convite, decorar, desenhar vestido e mandar fazer sem que a aniversariante fosse provar, procurar DJ, buffet, alguém que fizesse o bolo e tudo o mais que foi preciso para a realização da festa, imagina se essa festa for uma surpresa. Mas tudo isso também foi a prova de que é preciso a gente pedir ajuda quando precisa, deixando qualquer orgulho de lado.

Eu na pré-estréia de Harry Potter 7 - Parte 2

2011 também foi a estréia de vários filmes de séries que AMO: (5) Piratas do Caribe - Navegando em águas misteriosas, (6) Harry Potter 7 - Parte 2, (7) Amanhecer - Parte 1

(8) Fiz uma nova iniciação na Wicca, que significa muito para mim. Como um marco desse momento tão importante, resolvi fazer uma tattoo com um mantra wicca "Yana Hene You Em" que literalmente significa "Oh, grande espírito", mas que tem um sentido mais amplo de "todos somos um só".

A vista do hotel que eu estava. Só uma inspiração pra voltar lá =)

(9) Fiz também, esse ano, uma viagem para Recife, onde conheci Porto de Galinhas. Essa viagem só não foi melhor, pois estava passando uma fase muito ruim, de termino do meu namoro, e acabei não aproveitando tudo o que tinha para aproveitar ao lado da minha mãe e do meu padrasto. A sorte é que Pernambuco é aqui pertinho do RN e quando der podemos repetir essa viagem todos juntos.

Amo muito!

(10) Passei somente uns 15 dias separada do meu namorado, mas esse tempo pareceu uma eternidade. Então, voltar o namoro foi algo muito bom que aconteceu no meu ano. E, quem acompanhou tudo de perto, sabe o quão importante foi pra mim termos reatado. E posso dizer, o namoro voltou muito melhor.

Apenas uma parte da turma, mas a foto representa o grande carinho que tenho por todos!

(11) A fase de faculdade terminou e me despedi de tudo aquilo que começou lá trás... há cinco anos: Direto do túnel do tempo (xD não podia perder essa piada). E que no começo parecia que nunca ia acabar, mas agora parece que passou tão rápido... Mas agora, enfim, sou uma psicóloga formada (bom, só falta o diploma, mas isso é só uma questão de tempo). Conheci tantas pessoas incríveis, outras nem tanto. Aprendi tanto, até com meus erros. Talvez até mais com os erros. Sentirei saudade dessa etapa que está sendo finalizada, mas agora é olhar para frente e começar a percorrer o futuro.


(12) Outro ponto alto no meu ano foi o estágio profissionalizante, que desenvolvi no Serviço Integrado de Psicologia da UnP. Foi maravilhoso poder me aproximar de pessoas que ao longo do curso eram mais distantes, aprender com cada dia, cada caso atendido no serviço, conviver com pessoas maravilhosas que hoje ocupam um grande espaço no meu coração.

Somente uma parte do grupo

(13) Dentro do estágio, desenvolvi, junto com outros estagiários e supervisionada pela técnica e pela coordenadora do serviço, um grupo de pais e crianças que me fez crescer ainda mais e tornou meu estágio ainda mais rico.

O grupo com a estátua de Ernestito na Casa de Che Guevara, Alta Gracia

(14) O grupo se desdobrou em um Congresso que aconteceu em Córdoba - Argentina. E lá fui eu para mais uma viagem que levarei comigo por toda a minha vida. Cada momento, desde que mandamos o trabalho, passando pela ida à Alta Gracia, onde conhecemos a casa que Che Guevara morou por 11 anos, até quando colocamos os pés de volta em solo brasileiro, cada segundo nunca será esquecido. Aliás, estou devendo um post sobre a viagem, do ponto de vista poético que Córdoba merece e inspira.

Um dos looks vencedores do desafio Nivea  Black&White

(15) Outra coisa muito boa que entra na contagem do Top20, foi o melhoramento, ou podemos dizer (re)lançamento do blog Papo de Mulher. Como é difícil administrar dois blogs, pedi ajuda às minhas amigas Natália Egito e Patrícia Diógenes para levarem o blog adiante comigo. A partir disso, foram criadas novas sessões e o blog só vem melhorando. E um dos looks postados no blog durante este ano rendeu até participação especial em outros blogs de moda como Um Ano Sem Zara e Hoje Vou Assim.

Eu e Giovanna na festa de debutante dela

(16) Passei uma semana ótima com minha irmã, Giovanna. Ficamos mais próximas, nos divertimos assistindo filmes, passeamos um pouco (já que eu estava em momento de finalização de curso e estágio, então meu tempo estava meio reduzido). Enfim, fizemos coisas que acho que são o que irmãs fazem.

Meu pai

(17) Algo que me deixou muito feliz foi eu ter me (re)aproximado do meu pai. Estávamos um pouco afastados por algumas coisas que aconteceram, mas com ajuda da minha terapeuta (viu, gente, terapia funciona!) consegui deixar alguns sentimentos ruins de lado e me (re)aproximado do meu pai e sei que isso será (aliás, já está sendo) muito bom para mim.

(18) Em 2011, eu também me mudei. E sim, isso foi algo muito bom. No começo, fiquei triste de sair da minha casa, mas hoje estou feliz no apartamento. Estamos, devagarinho (mais devagar inclusive do que eu gostaria xD), arrumando tudo e transformando o AP na nossa casa. Ainda fico triste de pensar em vender a casa que passei quase toda a minha vida, mas acho que o que for feito será o melhor.

Agora restam poucas unidades. Os interessados corram logo!

(19) Para completar toda a felicidade que tive em 2011, esse ano vendi 100 livros meus para um programa da fundação José Augusto. Nem posso descrever o quão bom é ganhar dinheiro com nossa arte, ter nosso trabalho reconhecido. Isso é mais um incentivo para continuar a escrever, a fazer o que eu tanto amo.

(20) Para terminar meu Top20 de 2011, quero dizer que estou em processo de finalização do meu terceiro livro. Eu adoraria terminar de escrevê-lo ainda este ano, mas como fim de ano é sempre muito corrido, acho que talvez eu não consiga. Quero terminar esse post agradecendo a ajuda que estou já tendo e que terei ainda mais da minha comissão crítica do meu namorado e meus amigos, que vão analisar criticamente meu 2º e meu 3º livro para um futuro lançamento.


O ano de 2011 foi melhor que 2010, que já foi ótimo. Então espero que 2012 seja ainda muito melhor. FELIZ NATAL E FELIZ ANO NOVO PARA TODOS!

Entre o amor e as estrelas




Prefiro que não me dê buquês de flores... elas vão morrer em pouco tempo. Construa-me um jardim. Prometo cultivá-lo para sempre e ele ainda me renderá belas tardes ensolaradas e muitas borboletas que me farão companhia sempre que estiver longe.




Prefiro que não me dê uma caixa de bombons finos. Sim, eles são uma delícia, mas acabarão e nunca saberei se os comprou porque realmente lembrou-se de mim e quis me agradar. Faça-me uma panela de brigadeiro e podemos comer juntos e até nos lambuzarmos como duas crianças felizes. Prometo guardar essa lembrança até o fim de meus dias.




Prefiro que não me leve num jantar a luz de velas. Elas me lembram coisas breves e que podem acabar num sopro. Leve-me a um lugar aberto no qual possamos ver as estrelas. Podemos escolher uma, bem grande e brilhante, e dar nosso nome a ela. Assim saberei que o que sentimos vai viver tanto quanto aquela estrela e será tão belo quanto ela.

HAPPY HALLOWEEN!


Dia das Bruxas (Halloweené um evento tradicional e cultural, que ocorre basicamente em países anglo-saxônicos, mas com especial relevância nos EUA, Canadá, Irlanda e Reino Unido, tendo como base e origem as celebrações dos antigos povos. A sua origem remonta às tradições dos povos que habitaram a Gália e as ilhas da Grã-Bretanha entre os anos 600 a.C. e 800 a.C., embora com marcadas diferenças. Originalmente, o halloween não tinha relação com bruxas, era um festival do calendário celta da Irlanda, o festivas de Samhain, celebrado entre 30 de outubro a 2 de novembro e marcava o fim do verão e início do outono.


A celebração do Halloween tem duas origens que foram se misturando ao longo da história:
Origem Pagã: Tem a ver com a celebração celta chamada Samhain, que tinha como objetivo dar culto aos mortos.
Origem Cristã: Desde o século IV a Igreja da Síria consagrava um dia para festejar "Todos os Mártires" ou "Todos os Santos", a todos os que nos precederam na fé. A festa em honra de Todos os Santos, inicialmente era celebrada no dia 13 de maio, mas o Papa Gregório III mudou a data para 1º de novembro, que era o dia da dedicação da capela de Todos os Santos na Basílica de São Pedro, em Roma. Mais tarde, no ano de 840, o Papa Gregório IV ordenou que a festa de Todos os Santos fosse celebrada universalmente.

MITOS SOBRE O HALLOWEEN E SEUS SÍMBOLOS:
- O Halloween NÃO é um ritual satânico e nada têm a ver com bruxas. Entre o pôr-do-sol do dia 31 de outubro e 1° de novembro, ocorria a noite sagrada (hallow evening, em inglês). Devido a isso, acredita-se que assim se deu origem ao nome atual da festividade.
- Esta data para os Druidas e Celtas, era considerada o fim das colheitas, já que ali iniciava-se o outono.  Somente por isso e não porque tenha a ver com uma noite de Trevas.
- A lanterna vegetal chamada de "Jack-o'-lantern" em inglês nada tem a ver com um suposto espírito malígno de um tal de Jack que foi condenado a viver perambulando na terra.
- Bruxas não tem narizes grandes e verrugas nem voam em vassouras. São pessoas completamente normais que andam por ai sendo Halloween ou não.




CRÉDITOS: Wikipedia

Campanha: Vamos ler mais escritores nacionais de literatura fantástica



Queridos leitores, como sabem sou escritora de fantasia e não poderia deixar de apoiar essa campanha maravilhosa da Celly Borges, do http://mundodefantas.blogspot.com/, pois, como sabem, acredito no talento dos escritores brasileiros desse gênero literário. Achei essa iniciativa o máximo e peço a vocês que também apoiem a campanha! Temos muita coisa boa que, às vezes, só estão esperando uma chance ou uma oportunidade.


Não deixem de visitar o blog da Celly: http://mundodefantas.blogspot.com/. Tem muita dica legal de leitura lá!

Amor sem idade, mas com qualidade!



Assuntos que causam polêmica e que são interessantes (ou seja, que têm conteúdo a ser explorado e não aqueles que somente ganham 15 minutos de fama na internet) sempre chamam minha atenção e adoro dividir minha opinião sobre eles com meus leitores.

Como esses últimos dias andei postando sobre preconceitos direcionados a vários grupos, continuarei seguindo nesta mesma direção. E hoje escolhi falar sobre pessoas de idades diferentes que se envolvem num relacionamento amoroso. Falar sobre preconceito relacionado a isso já não tem nem mais graça né? Imagina TER preconceito sobre isso! E vou dizer mais uma vez: Gente, ninguém tem nada a ver com a vida de ninguém não! Tem é que cuidar de sua própria vida.

Mas se você ainda não se convenceu, sugiro que procure na história. Abra os livros dessa matéria do tempo de escola. Nem precisa ir tão longe... Alguém lembra com quantos anos Carlota Joaquina casou-se com Dom João VI? Pois eu refresco sua memória, caro leitor! Carlota Joaquina Teresa Caetana de Bourbon e Bourbon casou-se aos 10 (sim, você leu certo) anos de idade. Seu marido tinha 17 anos. Certo que 7 anos não são 20 e não causam (ou até causam) uma grande polêmica. Geralmente, 15, 20, 30 anos de diferença de idade não geram só preconceito, mas verdadeiro falatório e maus julgamentos.

Bem, dito isso, acredito, sim, que o amor não tem idade (cronológica), que para amar basta isso: o amor. Mas isso se aplica somente à idade mental (que comumente acompanha a cronológica, principalmente quando se trata de gerações diferentes), pois se ambos têm uma idade mental aproximada será bem mais fácil manter um relacionamento. Já com a diferença de idade (mental), uma coisa não se pode negar: com ela vem a diferença de sonhos, da perspectiva de vida, da vivência, dos interesses, a diferença de maturidade e de tantas outras coisas que no começo do relacionamento parecem sem importância, mas a longo prazo causam constantes desgastes. E, infelizmente, não tem amor que resista a desgastes recorrentes. Se o casal acha que pode superar essas coisas, bom pra vocês! Mas tenham consciência de que isso existe sim e que é difícil!

Ninguém inicia um relacionamento pensando no fim do mesmo (quem já começa um relacionamento sem pensar que vai dar certo, já começou errado!). No começo, pensamos na continuidade, pensamos que vai dar certo. Então, quando assumimos um relacionamento, seja ele com pessoas de diferentes idades ou não, assumimos também (ou pelo menos devemos assumir) a responsabilidade de entender as diferenças que o outro traz. E, na maioria das vezes, a união não dá certo por que não compreendemos isso. Num relacionamento de pessoas de idades (mentais) distantes, após algum tempo, as diferenças interferem tanto que o amor não se sustenta mais sozinho. No nosso mundo, infelizmente, o amor não se mantém firme sozinho como acontece no mundo de contos de fada de nossa mente.

Tatuagens




Nas sociedades tribais a tatuagem era uma forma de identificar membros de uma mesma comunidade ou alguns acontecimentos importantes da vida, tanto biológicos quanto sociais. Muito antes de o preconceito se fazer presente na humanidade e incrustar nas pessoas certa fobia a tudo que é diferente de si, a tatuagem já era um meio de expressão.

Contudo, infelizmente esta arte desperta sentimentos adversos, fazendo com que sua intenção artística seja modificada, o que faz com que o que era para ser somente um desenho repleto de significado, é transformado pelo preconceito num  símbolo de incompetência, irresponsabilidade e marginalidade. Em outras palavras, o caráter de quem tem uma tatuagem é posto em dúvida e a pessoa passa a ser discriminada por tal característica.

A tatuagem é uma forma de expressão de sentimentos, crenças, desejos, filosofia de vida. É uma forma de arte. Tatuagem, não transforma o ser humano, não altera o caráter e tampouco atesta incompetência.

Apoio à literatura regional e nacional



Semana passada, fiquei sabendo que meus livros, assim como todas as obras de autores regionais foram tirados das prateleiras da Livraria Siciliano de Natal/RN. Essa notícia me deixou extremamente triste, pois se uma livraria nacional faz isso com tais obras é porque, me desculpem, não respeitam seu próprio povo.

E nem venha com a desculpa de que "é porque não estava vendendo bem". Difícil um livro que fica escondido entre milhares de outros ou em lugares nada atrativos vender bem. Sinceramente, não existe promoção à literatura nacional, imagine à literatura da região nordeste. Não quero, com essa crítica, me abster da responsabilidade de fazer propaganda e vender meus próprios livros. Não é isso. Penso que essa é, sem sombra de dúvida, uma grande responsabilidade do autor. O que quero denunciar aqui é o desrespeito por parte desta livraria aos autores regionais.

Entendo que uma livraria tem o papel de trabalhar em prol da literatura e não somente esperar que os livros se vendam sozinhos. Hoje existe, sim, uma gama de redes sociais e meios de se promover um livro, mas o que custa para uma livraria colocar um livro pouco conhecido num local mais visível ou promover sessões de leitura, rodas literárias ou clubes do livro? Seria, inclusive, bom para a própria livraria, pois existem sim ótimos autores nacionais e regionais que só precisam de uma chance de serem (re)conhecidos.

Se você apoia essa causa, por favor divulgue em redes sociais, blogs, escolas, faculdades, locais de trabalho, no prédio e onde mais for possível! E se dê a chance de conhecer autores nacionais e regionais. Você pode se surpreender!

"Em lugar público não, né!"


Hoje aconteceu uma discussão na casa de minha avó sobre gays. Um amigo da família chegou contando que um gay "que ninguém dizia que era gay" deu em cima dele. Ele disse ter levado tudo na brincadeira e explicado que sua opção sexual era diferente (não nessas palavras). A partir deste fato, a discussão sobre o assunto se instalou durante o almoço. Eu, calada, ouvia meus familiares falarem até que, ao ouvir a seguinte frase, resolvi me pronunciar: "Eu não tenho preconceito, mas em lugar público não né!".

Por que diabos você acha que tem mais direito de estar num lugar público do que outra pessoa com opção sexual diferente da sua? Essa mentalidade é de alguém provinciano e, me desculpe, sub-desenvolvido. O único motivo pelo qual se tem tanto preconceito em relação a gays é por que são minoria. Pois se fossem maioria e impusessem seu modo de ser, como a maioria de nós fazemos com pensamentos como esse, o diferente seríamos nós, heterossexuais.

Aliás, qual o problema de se gostar de alguém do mesmo sexo? "Ah, nenhum. Desde que não seja perto de mim". É... desde que não suje minha vista e meu mundo perfeito em que todos somos igualmente chatos! Nossa que pessoa socialmente correta que você é! Quer dizer que tudo bem ser gay, mas só entre quatro paredes. Isso não é preconceito? Você tem que rever isso hein!

Gente, acorda! Gays são seres humanos (mesmo que vocês os enxerguem como ETs), são pessoas como você. NÃO TEM DIFERENÇA!!! Vocês já ouviram alguém dizer: "Ele(a) é gay, mas é uma pessoa legal". COMO ASSIM "MAS"?????????? Ser legal, inteligente ou seja lá o que for independe de sua opção sexual. Ser gay é somente mais um modo de vida, como ser hetero. Por que, então, os gays só podem ser eles mesmos no âmbito privado enquanto os heteros trafegam livres no meio público?

Se você se incomoda em ver dois homens ou duas mulheres se beijando num cinema, no meio da rua, ou em qualquer lugar público, O PROBLEMA É SEU, NÃO DELES! Eles não tem nada a ver com seu incomodo. Você que tem que se resolver com isso. Aliás, por que a vida dos outros lhe incomoda tanto? Trate de olhar pra si próprio em vez de apontar o dedo para os outros. E se um gay se incomodar de ver a nós, heteros, nos beijando no meio público, vamos nos recolher ao nosso lugar privado? Por que, então, eles devem fazer isso?

A você, que tem essa mente tão pequena, só me resta lamentar.

Uma nova eu, um novo você, um novo agora


Era apenas um dia como outro qualquer. E tudo parecia bem, como sempre. Como se nada fosse dar errado. Mas tudo mudou, só eu não mudei por tanto tempo. O início é fácil, mas o fim é difícil de planejar. E quando você foi embora eu realmente tentei virar a página. Mas enfim percebi que era minha página que precisava ser virada. Sei que toda mudança começa dentro de nós e que temos a chave para essa transformação. E agora não sou mais a mesma. Nós sempre estivemos embaixo das mesmas estrelas. Você pensou em nós nesse tempo?

E agora começamos a pensar uma nova canção. Por enquanto ainda somos somente uma melodia. A letra está em construção. E até agora isso está funcionando.  Cada dia com você é como um dia num mundo de sonhos. Estamos (re)começando. Eu sei que sou um pouco curiosa, mas não posso deixar de pensar no que vai acontecer agora, pois este é apenas o (re)começo. E podemos partir desse novo começo - uma nova eu e um novo você - para construir juntos um novo agora.

SKYSCRAPER


Sabe quando você está subindo uma montanha, está quase lá no topo e vem alguém e te derruba? Você cai e está lá em baixo novamente. E tem que recomeçar a subida. Dá vontade de desistir, não é?

Sabe quando você constrói uma torre bem alta com suas próprias mãos, pedrinha por pedrinha, e vem alguém e a derruba com a maior facilidade do mundo? E você tem que recomeçar a construir do nada. Dá vontade de desistir, não é?

Mas a vista de cima da montanha é linda demais para não querer voltar a escalar. A torre muito grandiosa para deixá-la no chão, em pedaços.

Nessas horas parece que não vamos conseguir. É como se não restasse nada de mim. Parece que nunca teremos uma chance. Faz bem para algumas pessoas me ver sangrando. Mas eu ainda estou de pé.

É um longo caminho, mas me sentirei melhor quando eu estiver bem perto das nuvens, em cima da torre ou da montanha. Eu olharei para baixo quando eu estiver lá no alto.

"You can take everything I have. You can break everything I am. Like I'm made of glass, like I'm made of paper. Go on and try to tear me down. I will be rising from the ground. Like a SkyScraper!" (Demi Lovato)

Coisas que odeio em você


Eu provavelmente não deveria fazer isso, mas estou sendo bem sincera. Queria dizer que tem muitas coisas que ODEIO em você. Você se acha e isso me deixa louca. Você me irrita e me faz rir em momentos que eu não quero. ODEIO seus jogos, mas não aqueles de computador. Os que jogam comigo são piores. Você é tão seguro de si e as vezes me faz chorar. Mas o que eu mais ODEIO é o jeito como você faz eu te amar.

Mas também não há somente coisas ruins. E se compararmos, as boas talvez sejam muito mais. AMO quando você me irrita e me faz rir em momentos que eu não quero. AMO seus jogos, até os de computador, mesmo que eu não entenda. AMO você ser seguro de si. Quando você me abraça tudo fica bem. AMO quando você segura minha mão. AMO seu olhar e quando você se faz de difícil. E quando você me beija eu fico hipnotizada. Mas o que eu mais AMO é o jeito como você faz eu te amar.

Para sempre Harry Potter


Há 10 anos, fui ao cinema assistir "As aventuras de Sharkboy e Lavagirl 3D", no cinema Severiano Ribeiro, do Natal Shopping. Quando as luzes se apagaram, um trailler se iniciou. A música que tocava era Leaving Hogwarts e a primeira voz a falar era a do simpático meio gigante Hagrid. As corujas, os duendes, o magnífico castelo. Tudo transpirava magia. Eu logo decidi que iria assistir àquele filme. A história do menino com a cicatriz em forma de raio na testa parecia fascinante. A magia começava ali.

Confesso que eu não gostava muito de ler, mas quando soube que aquele filme que eu queria tanto assistir era baseado em um livro, logo tratei de comprá-lo. Para mim, que nunca havia lido mais que algumas páginas (e sempre por obrigação da escola), um livro de mais de 200 páginas era algo que me assustava. Mas fui em frente. Eu queria saber da estória antes de ir ver o filme. Uma semana antes da estréia de "Harry Potter e a pedra filosofal", terminei a leitura do primeiro livro. E já estava completamente apaixonada pelo bruxinho e seu mundo.

A primeira sessão do filme exibida em Natal/RN foi ao meio dia, no Severiano Ribeiro. Eu estava lá. Não sei se todos sabem, mas me tornei escritora por causa dos livros de J. K. Rowling (autora da série Harry Potter). Aos 12 anos, desejei contar uma estória tão incrível como aquela. Depois do primeiro livro, os outros foram rapidamente lidos por mim. Os três primeiros livros, comprei de um amigo. O quarto livro comprei novo. E esperei ansiosamente pelo lançamento do quinto, estando na porta da livraria antes mesmo desta abrir, para buscar meu exemplar. E foi assim com o sexto e o sétimo.

Eu vivia cada aventura junto de Harry e seus amigos. Nunca imaginei aprender tanto com as palavras daquele livro. Aprendi sobre amizade, lealdade e coragem, sobre o bem e o mal e sobre as escolhas que fazemos na vida. Aprendi sobre o luto chorando a morte de personagens queridos. Enfrentei meus medos e bichos papões. E aprendi muito mais que isso, coisas que só nós, leitores do Harry, sabemos. E também aqueles que conseguem enxergar na magia as suas inúmeras possibilidades, não se contentando com a limitada visão da realidade.

Harry Potter não é somente um livro sobre um menino bruxo que sobreviveu ao ataque de um bruxo das trevas que tornou-se seu arqui inimigo. É muito mais do que isso. É uma história sobre pessoas e sentimentos humanos. Sobre conflitos e desejos que perpassam toda a existência humana. Toda a trajetória de Harry, desde a descoberta da verdadeira identidade e entrada no mundo da magia até a conclusão épica emocionou legiões de fãs por todo o mundo. E continuará a emocionar, pois esse clássico moderno dificilmente será esquecido.

Como esquecer a grande revelação, quando Hagrid fala a Harry sobre o mundo bruxo? E cada nova descoberta de Harry sobre a bruxaria? O beco Diagonal. Gringots. Os professores de Hogwarts. Dumbledore por trás de seus óculos de meia lua. Rony e Mione, que se tornaram tão intimos de todos nós. A pedra filosofal que num momento estava no espelho e no outro já dentro do bolso de Harry. O diário de Tom Riddle e as palavras escritas em sangue nas paredes do castelo. Dementadores. Lupin, nosso querido lobisomem. O misterioso Sirius Black. Bicuço. O vira tempo tão útil ao trio. A Casa dos Gritos. O torneio tribruxo que trouxe a Hogwarts novos estudantes. Os conflitos adolescentes. As tarefas. A primeira morte.

Lord Voldemort ressurge. Dolores Umbridge. Bellatrix Lestrange. A profecia. Luna Lovegood. Lições de Oclumência. A nova visão do próprio pai. A morte do querido Sirius. O mundo dos bruxos interferindo no mundo dos humanos. As horcruxes. O príncipe Mestiço. A dolorosa e inesperada morte de Dumbledore. Gina. Os segredos revelados. As perguntas respondidas. Rony e Mione. Guerra. Mortes. O confronto final. O recomeço. O fim.

No dia 15 de julho de 2011, 00:01, iniciou-se o último filme da série que mudou a visão de mundo de uma geração. A cada cena eu me lembrava das palavras do livro. E, ao som de Leaving Hogwarts (mesma música que me apresentou a Harry), 10 anos depois do primeiro filme e 10 anos depois de eu ler a primeira palavra no primeiro livro, a saga chegou ao seu fim. Mas mesmo depois do fim, Harry fará parte de nossas vidas e estará conosco para sempre em nossos corações. Que Hogwarts esteja sempre lá para quando precisarmos. Que a magia viva em nossas almas sempre pronta para ser acesa ao simples pronunciar do feitiço. Lumus.

A árvore dos frutos proibidos


Havia, no meio do jardim, uma grande árvore. Seus frutos eram proibidos àqueles que não quisessem ser alvos da ira do poder divino. Para o homem que habitava o jardim, aquilo não era nenhum sacrifício. Ele caminhava em volta da árvore, admirado por sua beleza. Contudo, a companheira daquele homem, que também o jardim habitava, incomodava-se com a presença daquela árvore de frutos proibidos. E foi ela quem primeiro provou a maçã, sendo amaldiçoada e banida, junto ao homem, do jardim encantado. Mas aquela mulher não agiu por maldade ou curiosidade. Ela apenas não aceitava não ser o centro daquele jardim e muito menos ter de dividir a atenção de seu companheiro.

PAI


Para Carlos Neto.


Esse é, de longe, o texto mais difícil que escreverei. Não porque estou escrevendo de mau gosto ou porque não sei o que escrever. Aliás, muito pelo contrário. Há tanto o que dizer... são quase 23 anos de coisas a se dizer. Primeiramente, pensei em deixar para falar do assunto no dia dos pais, quando todos estarão falando disso. Mas penso que esse é somente mais um dia na vida de todos nós, em que o comércio lucra. E nos sentimos moralmente levados a dar presente e passar o dia com nosso progenitor. Contudo, o pai é alguém que mesmo algumas vezes não estando presente fisicamente, está em cada pedacinho do nosso ser. Resolvi, então, começar a falar disso de uma forma, que talvez possa parecer "seca", mas que é a que vejo ser a melhor possível.


A relação da filha com o pai, segundo alguns psicanalistas, se consagra, de fato, no Complexo de Édipo, quando a menina volta toda a sua atenção e amor para seu pai. E essa é uma fase impressindível na formação do ser humano. Sendo assim, mesmo tentando algumas vezes, não há como negar a importância disso. O pai entra em nossa vida como símbolo de proteção e lei. Disso para o posto de herói é um pulo. Mas ele também é gente. Erra. Decepciona. Magoa. E sofre com isso. Filhos, já pararam para imaginar como é para um pai decepcionar um filho? E quantas vezes não os decepcionamos? Quantas vezes não erramos com eles? Não os magoamos?


Esse texto é para aquele cara, aquele sujeito que começa a sua vida como ser humano, transforma-se em herói, volta a ser um simples mortal e, finalmente, torna-se PAI.


Na foto: Johnny Depp e Lily-Rose Depp

Eu escritora

Quando falo que sou escritora e comento sobre o meu livro, muitas pessoas me dizem de sua vontade de escrever e, muitas delas tem boas idéias, boa escrita, mas não sabe, exatamente, como começar. Geralmente, quando trato desse assunto, começo falando que devemos, primeiramente, para sermos bons escritores, sermos bons leitores. Não dá para escrever bem se não temos um relacionamento intimo com as palavras. Em segundo lugar, ninguém começa escrevendo um livro. Mesmo que você escreva divinamente bem, é importante usar de algumas ferramentas que lhe possibilitem "testar" sua escrita. Os blogs são uma ótima maneira de fazer isso. Além de lhe dar um feedback direto do seu leitor, o blog permite que você desenvolva sua escrita e crie seu próprio estilo.


Passadas essas "etapas", digamos que você gostou da experiência como escritor e quer escrever um conto ou uma estória. Não darei aqui uma fórmula, pois a própria pessoa é que vai descobrir como é o seu processo de escrita, mas falarei do meu próprio processo. Geralmente, eu inicio a construção dos meus livros fazendo um "esqueleto" da estória. Nele, eu coloco tudo o que penso que acontecerá ao longo da trama (começo, meio e fim), que pode continuar até o final ou mudar a medida em que escrevo. Depois, eu crio todo o cenário onde se passa a estória e os personagens que estarão nela. Eu penso em toda a parte física do personagem e em como é sua personalidade, seus valores e costumes. Isso é uma das partes mais importantes, pois é o que dá crédito a estória. Os atos dos personagens precisam ser sustentados por sua personalidade. Caso contrário, eles tornam-se rasos e não convencem.


Se há, na estória, personagens fantásticos ou mesmo que não fazem mais parte do mundo no qual vivemos, procuro sempre fazer uma pesquisa sobre eles para que a estória fique com caráter mais verossímil. Há ainda personagens famosos da história que podemos usar em nossa escrita, como Napoleão Bonaparte ou D. Pedro I. Esses podem ser usados de duas formas: ou fazemos uma paródia, usando características específicas desses personagens ou fazendo uso verossímil deles, pesquisando a história verdadeira de cada um.

Se eu não precisasse ganhar dinheiro...

Eu escreveria todos os dias, viajaria todo mês pra algum lugar do Brasil e pelo menos uma vez no ano para fora do país,


Eu estudaria mais as coisas que gosto e não perderia tempo lendo coisas que não fazem sentido pra mim,

Eu moraria longe da cidade, num lugar com muito verde e pouco cinza,

Eu usaria meu tempo pra participar de diversas ações solidarias aqui e em todo o mundo.



Infelizmente, é o dinheiro que rege o mundo.

Até o Para Sempre acabar



Ele parece não ouvir o que eu falo e eu só falto arrancar meus cabelos. Você e eu somos tão diferentes... somos como fogo e gelo, como terra e ar... Você e eu somos o deserto e o mar... Mas eu não mudaria nada até o Para Sempre acabar.

A casa do pé de jambo


Havia um pé de jambo na frente. E crianças brincavam na calçada. Os netos estavam sempre lá. Os de sangue e os agregados. E sempre havia gente. O movimento era constante e só cessava muitas horas depois do sol se por. Tantas festas nas quais toda a família se reunia. Grandes almoços feitos em panelas enormes. A casa estava sempre pronta para receber as pessoas. E nunca faltou espaço para ninguém. E sempre sobrou boa vontade.




Havia um quarto no qual os netos sempre gostaram de dormir: o quarto da frente. E com jeitinho cabiam todos e mais a dona do quarto. Esta emprestava ainda seus sapatos a menina que os usava como carrinho ou cama para suas bonecas. Pois as paredes daquela casa despertavam a imaginação. A casa já fora escola, hospital e até mesmo set de filmagens. Já fora palco de grandes apresentações teatrais com famosos atores.




A casa do pé de jambo será eterna no coração e na memória de quem teve a sorte de conhecê-la.