Sorria: Você está sendo julgado!


Antigamente, as pessoas eram conhecidas pelo seu sobrenome e pelo nome dos seus pais. Era isso que caracterizava o indivíduo. As pessoas de "boa (e rica) família", por exemplo, eram as que casavam com mais facilidade. Nesta época, o nome era tudo. Era por ele que se julgava.
Você não era Maria, Júlia ou Carolina, você era filha de seu Zé da Padaria, neta de Dona Tereza da farmácia.

Hoje em dia, o nome ainda tem uma importância grande no julgamento do valor do ser humano. Por acaso alguém quis saber de quem você era filho, neto ou bisneto? Pois bem... Contudo, hoje esse não é o único método para se "avaliar" uma pessoa.

E tenho uma notícia pra você: Atualmente, você continua não sendo Maria, Júlia ou Carolina, mas sim a menina de 20 anos que gosta de Jonas Brothers e de desenhos animados. Você é a boba que assiste High School Musical e é apaixonada pelos vampiros e Lobisomens de Crepúsculo. Simplesmente, você é julgada por todos pelas coisas de que gosta.

Mas se você gosta de escultar os JoBros, isso não quer dizer que não aprecie Coldplay não é? Se você assiste High School Musical não quer dizer que não assiste History Channel e NatGeo, certo? E por que você lê crepúsculo, Harry Potter, entre outros, não quer dizer, necessariamente, que você nunca folheou as páginas de Shakespeare, correto?

Então, por que ser julgada pelas coisas que gostamos? Por que antes as pessoas não se aproximam de nós para nos conhecer direito? Ou as que já são próximas, por que não tratam de conhecer as coisas das quais gostamos antes de nos taxarem como infantis e bobas? Mas quando é que as pessoas começarão a nos tratar como Maria, Júlia ou Carolina?

Eu acredito que, para se falar de algo (que fale bem ou fale mal), você precisa primeiro conhecer este algo. Caso contrário, podemos chamar de pré-conceito. E isso não é nem um pouco saudável.

Para as pessoas que, como eu, é considerada como tendo uma idade abaixo da sua idade real um conselho: Nunca deixe de ser o que é por causa de outras pessoas. Não mude por ninguém. Seja sempre espontaneamente quem você é. Até por que, já dizia Einstein, tudo é relativo. O tempo é relativo, então, em consequência, a idade também é. Mas isso fica para ser falado num outro dia...

Para quem consegue ver os Testrálios

Para minha família


Desde o dia em que somos formados no ventre de nossas mães, temos uma única certeza em nossa vida: A de que vamos morrer um dia. Seja este um dia perto ou longe do dia em que nacemos, não temos como saber. Morrer está destinado a todos os que estão vivos. E é sobre a morte que falarei agora.

Esse não é um assunto agradável, mas é necessário. É importante que saibamos lidar com ela para que ela não nos consuma.

A morte é vista de maneira diferente por cada pessoa, cada lugar, cada cultura, cada religião. Todos nós temos uma idéia sobre ela e sobre o que ela representa. Para cada um, a morte tem um diferente significado. Ela pode querer dizer que está na hora de ir para um outro plano ou que está na hora de realizar esta parte do ciclo da vida. E, por menos que a gente goste dela, ela é tão normal quanto a vida.

Mas, e quando alguém importante para nós, quando alguém que amamos está morrendo? E você tem que ver aquilo acontecendo dia após dia?
Diante de algo tão grande quanto a morte, nos sentimos impotentes, pois não há nada que possamos fazer. Aquilo acontecerá de qualquer jeito. E só nos resta nos conformar. Precisamos pensar que nada é eterno, nada é infinito, nada dura para sempre.

Para quem já lidou com a morte, ou está lidando agora e para quem ainda irá lidar, tenha em mente que quem sofre com a morte é quem ama a pessoa morta. Não podemos querer que uma pessoa que está sofrendo com uma patologia incurrável fique viva somente para não sofrermos, pois ela é quem sofrerá. Precisamos deixar nosso egoísmo de lado e pedir para que está pessoa vá em paz, pois dentro de nós ela continuará viva em nosso coração e em nossas lembranças.

"A morte é pacífica, fácil. A vida é mais difícil" (Frase de Bella do filme Crepúsculo).


P.s.: Testrálios são criaturas mágicas do mundo de Harry Potter, que só são vistos por quem viu a morte de perto.